Lição dos Adultos - 4º Trimestre - 2003

   Lição 11   

    Lição 11 - A última palavra 

    6 a 13 de dezembro  

    


 

    Sábado à tarde - Ano Bíblico: I Tessalonicenses
 

    VERSO PARA MEMORIZAR: "Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam" (Atos 17:30). 

    TERMINA AGORA A NARRATIVA de quatro capítulos do livro de Jonas. Deus tem a última palavra, embora essa última palavra seja uma pergunta. A pergunta não é apresentada como se Deus estivesse querendo aprender de Jonas, mas ensinar. 

    O livro não nos diz se Jonas conseguiu compreender ou não o plano de Deus, mas isso não deve ser tão importante para nós. O que importa é se nós vamos conseguir compreendê-lo. Certo, conhecemos o amor, a misericórdia e a compaixão de Deus; e estamos felizes por possuí-los para nós mesmos. Mas estamos dispostos a permitir que Deus trabalhe em nós para possuirmos amor, misericórdia e compaixão pelos outros? Estamos dispostos a ter a abnegação necessária para que ensinemos aos ninivitas de hoje a verdade de que o juízo está às portas e que um dia eles terão que responder por seus pecados? 

    


 

    Domingo - Ano Bíblico: II Tessalonicenses
 

    Uma só pessoa 

    "E não hei de Eu ter compaixão da grande cidade de Nínive, em que há mais de cento e vinte mil pessoas, que não sabem discernir entre a mão direita e a mão esquerda, e também muitos animais?" (Jon. 4:11). 

    Como Deus pode impressionar a mente desse pobre homem com o que é importante e o que não é? Jonas vivia em um mundo muito semelhante ao nosso, em que a vida humana freqüentemente parecia não ter valor. Mas o Senhor morreu por toda a humanidade, porque ama toda a humanidade. De fato, somos informados de que Ele teria morrido por uma só pessoa. "Na parábola, o pastor sai em busca de uma ovelha – o mínimo que pode ser numerado. Assim, se houvesse apenas uma pessoa perdida, Cristo por ela teria morrido." – Ellen G. White, Parábolas de Jesus, pág. 187. 

    1. Compare o verso de hoje com Mateus 18:11-14. Que contraste existe entre a atitude de Deus para com as pessoas e a de Jonas? Que tipo de repreensão estas palavras de Jesus têm para nós e nossa frieza e falta de zelo pelos perdidos? 

    O pensamento de Cristo morrendo por todo este planeta, tão pequeno em contraste com o tamanho do Universo, é muito surpreendente. Mas por uma pessoa? Quem pode compreender esse tipo de amor? Embora não saibamos quantos serão salvos (Apoc. 21:24; Isa. 66:23), certamente será mais de um. Mas ainda que fosse só um, Cristo teria morrido de qualquer maneira! Não admira que a mente secular tenha dificuldades para compreender o evangelho. Mesmo os da fé mal podem ter um vislumbre de conceito tão poderoso. Pense em quem é Deus, quem somos nós e quão pequenos e fracos somos em contraste com Ele. Veja o que Deus fez, mesmo assim, por nós. Pense no que esse pensamento nos diz sobre o amor de Deus. Escreva um parágrafo expressando o que esta verdade significa para você e a esperança que lhe dá. O que este conceito nos diz sobre a certeza da salvação? Faça também esta pergunta: como, em face desse amor, as pessoas ainda podem se perder? 

    


 

    Segunda - Ano Bíblico: I Timóteo
 

    Vivendo na ignorância 

    "Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam" (Atos 17:30). 

    2. Deus disse que os ninivitas não sabiam "discernir entre a mão direita e a mão esquerda". O que Deus quis dizer com essa descrição? Ela era literal? Se não, o que Deus queria ensinar a esse profeta hebreu? 

    O Senhor estava revelando a Jonas, um hebreu, alguém que vinha da nação que o Senhor havia escolhido para ser um povo especial, que havia recebido grande luz e compreensão, quem é Deus e como são Seus eternos princípios morais (Veja Êxo. 19:5; 20; Deut. 4:7; 12:8; Sal. 19:7-11; 37:31; Jer. 31:33). Grande parte da história hebraica era definida pela compreensão da lei e dos seus preceitos morais. Assim, a nação hebraica estava muito avançada em relação a todas as sociedades pagãs ao redor. 

    Em contraste, Deus descreve os ninivitas como quem não sabia discernir entre a mão direita e a esquerda. Naturalmente, esse povo não tinha o mesmo tipo de direção moral que o Senhor havia dado a Israel. Uma expressão semelhante aparece na Bíblia (Deut. 28:14; 17:20; Jos. 1:7), referindo-se à questão moral de não se desviar da lei e da revelação divina. Assim, no livro de Jonas somos informados de que os ninivitas não possuíam o conhecimento da lei de Yahweh. O uso da expressão "mão direita e mão esquerda" também se encontra em textos babilônicos como sinônimo de "verdade e justiça" ou "lei e ordem". Deste modo, Deus informou Jonas que, no caso de Nínive, adiaria o juízo por causa dos moralmente ignorantes, por causa dos que não entendiam a justiça. 

    Talvez os ninivitas não tivessem o mesmo conhecimento da lei de Deus que os hebreus; mas as ações do povo e do rei, conforme Jonas 3:10, mostram que eles tinham alguma consciência moral e alguma compreensão do bem e do mal. Olhe novamente o que Deus disse a Jonas no último verso sobre os ninivitas. O que isso nos diz a respeito da justiça de Deus ao lidar com quem não tem uma revelação mais profunda da verdade moral? Então, eles não são responsáveis a Deus de forma diferente? 

    


 

    Terça - Ano Bíblico: II Timóteo
 

    Os animais também? (Leia Jó 39) 

    Em todo o capítulo 4, Deus manteve uma pressão moderada sobre Jonas para reconsiderar a avaliação do tratamento de Deus para com os ninivitas. E em um livro de surpresas, uma das mais surpreendentes é a pergunta final a Jonas. 

    3. Qual é a última expressão do último verso do capítulo final do livro de Jonas? Jon. 4:11 

    O final um tanto enigmático do livro de Jonas retrata Deus mostrando compaixão não só pelos ninivitas pagãos, mas também, aparentemente, pelo seu gado, (a palavra hebraica tanto pode significar "gado" como "animais" em geral). Embora o final registrado seja um tanto abrupto (gostaríamos de saber como terminou a conversa), e o significado exato não seja absolutamente claro, parece que o Senhor estava dizendo a Jonas que não era só pelo povo que Ele sentia piedade, mas também dos seus animais. 

    Isso realmente não devia ser tão surpreendente, devia? 

    Ao longo dos quatro capítulos do livro de Jonas, o "Senhor, o Deus do Céu, que fez o mar e a Terra" (Jon. 1:9), é visto em Sua soberania sobre toda a criação. Isto também foi dito por muitos dos escritores da Bíblia, em ambos os Testamentos. E a Escritura freqüentemente nos lembra como Deus Se preocupa com todo o mundo criado. Até os céus estão incluídos nesta perspectiva divina. 

    4. O que a Bíblia diz sobre o interesse de Deus pelos animais? Que semelhanças você pode ver entre que o Senhor disse a Jó e o que estava dizendo a Jonas? Jó 39 

    A tradição judaica ensina que Deus toma nota especialmente daqueles que são bondosos com os animais, porque os animais não podem devolver o favor, como os seres humanos. 

    


 

    Quarta - Ano Bíblico: Tito
 

    Perguntas, perguntas, perguntas... 

    O livro de Jonas termina subitamente com uma pergunta profunda deixada sem resposta. Nunca nos é dito se Jonas finalmente reconheceu que estava sendo egoísta ao querer o favor de Deus só para si ao mesmo tempo que o negava aos ninivitas. Ou se ele foi capaz de compreender que o amor generoso de Deus por todos ultrapassa em muito sua própria idéia de justiça. Somos deixados perguntando se Jonas alguma vez desfrutou o perdão de Deus para os que não merecem esse perdão. 

    É incomum que um livro da Bíblia termine com uma pergunta, uma pergunta surpreendente; mas não existe razão para que um livro não possa terminar assim. De fato, este final não é um exemplo de pensamento inacabado e escrita descuidada. Pelo contrário, ao concluir desse modo, o livro contrasta nitidamente a atitude de Jonas com a de Deus. 

    5. Embora não seja comum um livro da Bíblia terminar com uma pergunta, é comum o próprio Deus fazer perguntas. Faça duas coisas com estas perguntas que o próprio Deus formulou. Primeiro, pergunte a você mesmo por que Ele fez tais perguntas. Segundo, escreva as respostas (e dê razões para suas respostas): 

    Êxo. 4:11 Jó 40:1 e 2 Jó 4:11 Mar. 8:36 Luc. 6:9 

    Resuma suas respostas a estas perguntas em um pequeno parágrafo, dizendo o que elas nos ensinam sobre o caráter, a misericórdia e o poder de Deus. 

    


 

    Quinta - Ano Bíblico: Filemom
 

    O boi conhece 

    "O boi conhece o seu possuidor, e o jumento, o dono da sua manjedoura; mas Israel não tem conhecimento, o Meu povo não entende" (Isa. 1:3). 

    6. Aplicando Isaías 1:1-3 à história de Jonas, quem estaria em melhor situação diante de Deus, o boi ou Jonas? 

    Como vimos no livro de Jonas, a natureza está sob o controle de Deus. Obviamente, este ensino não é novo (veja Mat. 21:18 e 19; 17:24-27; Mar. 4:35-41). Se Tào-somente os seres humanos fossem obedientes assim! Mas a diferença é que Deus não criou a natureza moralmente culpável, como fez com a humanidade. Deus força a natureza; Ele não força a humanidade. A fim de sermos seres morais, temos que ser livres. Infelizmente, muitas vezes abusamos dessa liberdade. 

    7. Repasse novamente o livro de Jonas. O que e quem obedeceu a Deus e quem não o fez? Não é interessante essa resposta? 

    A natureza obedeceu, os pagãos obedeceram; só Jonas, o hebreu, não obedeceu, pelo menos não na medida que Deus queria. De certo modo, Jonas simbolizava a nação de Israel durante os vários períodos de sua história. O que poderia ter feito na paz e prosperidade (I Reis 8:60; Isa. 27:6; 56:6; Zac. 8:23), foi forçado a fazer sob circunstâncias terríveis – de cativeiro, escravidão e exílio. O mesmo aconteceu com Jonas. A tempestade, o peixe e os três dias e noites poderiam ter sido evitados se ele tivesse obedecido desde o início. O triste, também, é que embora não saibamos o que finalmente aconteceu a Jonas, o livro termina com Jonas aparentemente não sendo o que Deus queria que ele fosse. Em outras palavras, ele ainda não tinha compreendido. Historicamente, parece que grande parte do Israel antigo também não. 

    Com a lição de hoje em mente, o que Ellen G. White quis dizer quando escreveu: "O trabalho que a igreja tem deixado de fazer em tempo de paz e prosperidade terá de realizar em terrível crise, sob as circunstâncias mais desanimadoras e difíceis"? – Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, vol. 5 [em preparo], pág. 463. 

    


 

    Sexta - Ano Bíblico: Hebreus 1–3
 

    ESTUDO ADICIONAL 

    "Como indivíduos e como uma nação a quem Deus propôs prover com ‘toda a possibilidade de se tornarem a maior nação da Terra’. (Parábolas de Jesus, pág. 288; veja Deut. 4:6-8; 7:6 e 14; 28:1; Jer. 33:9; Mal. 3:12; Patriarcas e Profetas, págs. 273 e 314; Educação, pág. 40; O Desejado de Todas as Nações, pág. 577). Ele pretendia fazer deles uma honra para Seu nome e uma bênção para as nações ao seu redor (Educação, pág. 40; Parábolas de Jesus, pág. 286). 

    "Conforme as nações da antigüidade vissem o progresso sem precedentes de Israel, sua atenção e interesse seriam despertados. ‘Até os pagãos reconheceriam a superioridade dos que servem e adoram o Deus vivo’ (Parábolas de Jesus, pág. 289). Desejando para si as mesmas bênçãos, procurariam descobrir como poderiam eles também adquirir essas evidentes vantagens materiais. Israel responderia: ‘Aceitem o nosso Deus como seu Deus, amem-nO e O sirvam como nós, e Ele fará o mesmo para vocês’. ‘As bênçãos assim asseguradas a Israel são, nas mesmas condições e no mesmo grau, asseguradas a toda nação e a cada indivíduo sob o vasto céu’. (Profetas e Reis, págs. 500 e 501; veja Atos 10:34 e 35; 15:7-9; Rom. 10:12 e 13; etc.). Todas as nações da Terra deveriam compartilhar as bênçãos dadas tão generosamente a Israel (Profetas e Reis, pág. 370)". – SDA Bible Commentary, vol 4, pág. 28. 

    Perguntas para consideração: 

    1. C.S. Lewis escreveu: "Só existem dois tipos de pessoas: os que dizem a Deus: ‘Tua vontade se faça’ e aqueles a quem Deus finalmente dirá: ‘sua vontade se faça’. Todos os que estiverem no inferno terão escolhido isso. Sem essa escolha própria, não pode haver inferno." – The Great Divorce [O Grande Divórcio], pág. 72. Embora a compreensão de C.S. Lewis sobre a natureza (e o tempo) do inferno fosse deficiente, pense nesta citação. Você concorda com ele? Dê razões para sua resposta. 

    2. Leia Lucas 4:24-28. As palavras que Jesus está dizendo aqui se parecem com a situação exibida no livro de Jonas? Que advertências nós, adventistas, devemos tirar do que Cristo disse aos que estavam na sinagoga? 

    RESUMO: O livro de Jonas termina com um tema presente em toda Bíblia: o amor e a grandeza de Deus, em contraste com a mesquinhez e a pecaminosidade da humanidade. 

    


 

   Lição 11   

Link rápido para esta página: http://www.ellenwhitebooks.com/?t=3&l=20&p=11
(Para copiar o link, clique nele com o botão direito e escolha "Copiar atalho")